Vulcano – Entrevista com Zhema Rodero

Com 30 anos de estrada, o Vulcano é sem dúvida um dos principais expoentes da cena do Metal Extremo brasileiro.
Prestes a lançar o álbum Drowning In Blood, o guitarrista Zhema Rodero cedeu gentilmente ao Menina Headbanger uma pequena entrevista.


Como foi o processo de composição e produção de Drowning in Blood?

Quando voltamos da Europa, em novembro de 2010, eu percebi que era necessário apresentarmos o novo vocalista, Luiz Carlos Louzada, a um público maior e a maneira mais rápida de isso acontecer seria um novo álbum. Assim comecei a escrever o Drowning In Blood em dezembro e em fevereiro ele já estava pronto e iniciamos as gravações no finalzinho do mês. Como não temos um estúdio só para nós, fazíamos uma sessão por semana e isso demorou um pouco para gravarmos todo ele, mas no final de julho tudo já estava pronto. Da próxima vez vou reservar o estúdio com muita antecedência, assim em um mês já é possível gravar tudo.
Bem, com relação as composições, como lhe disse, eu tinha uma certa pressa em apresentar algo novo com o Luiz Carlos, então eu fiz tudo praticamente sozinho, fiz todas as músicas e todas as letras e gravei todas as cordas. O Arthur gravou a bateria e o Luiz as vozes.



Drowning in Blood será lançado dia 18/12, num show que contará também com o Salário Mínimo, outra importante banda brasileira. Quais são as expectativas e o que vocês preparam para essa data?

Isso mesmo! Estamos nos preparando para esse dia, embora faremos um show no Zoombie Fest de Rio Negrinho/SC, e lá já estaremos executando 5 das 10 músicas do novo álbum.
Eu creio que esse show em São Paulo será muito bom, pois estaremos reencontrando muitas pessoas “das antigas”, justamente pelo fato de estarem dividindo o palco com o Salário Mínimo. Lembro que toquei uma vez com eles aqui em minha cidade (Santos), mas já assisti alguns shows deles e pelo que tenho escutado dizer o show do Salário Mínimo está montado em cima dos velhos hits da banda, será muito legal!



Vocês fizeram uma tour pela Europa e América do Sul. Como andam o agendamento de shows para tour desse novo álbum? Pretendem repetir a dose novamente?

Com relação a agenda, de concreto temos esses dois shows para dezembro, Zoombie Fest e o Blackmore, em negociação temos também em Curitiba e Porto Alegre e também em Recife. Já a turnê da Europa está toda fechada. Iniciaremos em 19 de abril de 2012 em Glasdow, Escócia, depois Birmigham, Londres, Exeter, NorWich todos em U.K e então partiremos para a Escandinávia e depois Alemanha, Itália, Suíça, Bélgica e Holanda. Serão 24 shows em 25 dias.



Como foi a recepção dos público em países europeus? De fato há diferença entre os bangers europeus e os brasileiros? 

Muito bom, não poderia ser melhor! O público participou muito de nossos shows porque reservamos um set cheio de hits do Vulcano e como os headbangers lá conhecem muito os álbuns Ao Vivo e o Bloody Vengeance, a cada música a galera delirava. Interessante era ouvir os gringos cantando em português! Nós tocamos três músicas do álbum Live! que são em português e não é que os gringos cantavam juntos?!



Nos últimos tempos houveram diversas discussões sobre a cena do Heavy Metal nacional. Você, como membro fundador de uma banda com 30 anos de carreira, o que acha que pode ser feito para que as bandas do nosso país possam ser mais valorizadas e quais são os principais erros cometidos tanto pelas bandas, quanto pelo público e por produtores?

O que vejo de fora e arrisco fazer uma análise é que existem muito mais bandas nos dias de hoje do que há 30 anos atrás. Até aí tudo vem, não há problema algum, ocorre que essas pessoa que tocam em bandas também não comparecem nos shows das outras bandas, ainda, é cada vez menor o público que comparecem nos shows, então não há público e não havendo público não há bons produtores, ninguém quer arriscar uma grana colocando um backline de primeira no palco, um P.A de ótima qualidade, iluminação etc, se não tiver retorno. Sem contar que não existem bons clubes/casas de shows que admitem a produção de bandas undergrounds e para atrapalhar mais ainda, há uma enxurrada de bandas estrangeiras e até mesmo apenas um ex-músico de uma banda estrangeira conhecida, chegando no Brasil, fazendo shows aqui e e ali, etc. Então o público acaba indo prestigiar esses eventos deixando as bandas nacionais de lado, então esse círculo vicioso é que prejudica a cena brasileira.



Por enquanto é isso, agradecemos muito a atenção e desejamos uma longa vida ao Vulcano! 

Eu quem agradeço pela oportunidade de estar respondendo para o Menina Headbanger e gostaria de complementar que eu estou esperando um ótimo show no dia 18 próximo, lá no BlackMore. Eu realmente espero que a casa esteja cheia e que o público prestigie, pois da parte do Vulcano e com certeza também do Salário Mínimo faremos o melhor de nós, assim o André do Metal Sp poderá imediatamente produzir um novo evento com outras bandas e esse ciclo benéfico poderá colocar nosso underground nos trilhos certo e sempre para frente. Um grande abraço a todos!

Quem levou par de ingressos para o 1º Metal Sp Festival foi: @RogerioRocker 

Posts relacionados

Comments

comments

One thought on “Vulcano – Entrevista com Zhema Rodero

  1. Ótima entrevista, Iza!!! Espero que o blog Menina Headbanger traga mais posts como essa!! =D
    O engraçado que estou nesse mundo ao mesmo tempo que o Vulcano está nas estradas!! Uhu!!! RsRsRS
    Ah!!! E espero conseguir ir no Blackmore. Vai ser muito divertido comemorar meu níver… Um dia antes da data correta… HeHeHeHe!!!

    Fique com as Fadas…

    Beijinhos

Deixe uma resposta