A new age dawns

A new age dawns

O Menina Headbanger sempre me fez muito feliz.
Sempre foi incrível ter a chance de conhecer pessoas bacanas, novas bandas, novos músicos.
Era maravilhoso ir em algum show e ter pessoas perguntando se eu, Iza, era a “Menina Headbanger”. Foi um período maravilhoso.

Mas é difícil, muito difícil manter a vida nos trilhos quando tudo que se vê está uma merda. E foi isso que aconteceu no último ano, quando tomei a decisão de deixar o blog em stand-by.

Problemas de saúde e familiares me forçaram a ficar reclusa. Eu precisava desse tempo para cuidar de mim.

Meses atrás eu pensei estar pronta para voltar a escrever aqui, mas foi quando ao entrar na parte administrativa do site, vi que ele tinha sido hackeado. Pois é. Murchei na hora.

Mas não desisto fácil, nunca fui assim com nada. Então, cá estou eu.
Infelizmente, todo o conteúdo do site foi deletado, o que sobrou foi apenas posts de 2011 a 2013.
Pelo que me lembro eram mais de 150 posts, cerca de 20 mil comentários…Mas tudo bem. O mundo do Heavy Metal ainda me proporciona muitas, mas muitas pautas, certo?

Vejo vocês por aqui!

Ps: E se você é uma Menina apaixonada por Heavy Metal e por escrever, que tal ser uma colaboradora no Menina Headbanger?

Ouvindo: Katatonia

Melhores clipes do Metal Nacional em 2013

Melhores clipes do Metal Nacional em 2013

Eu sou doida por videoclipes. Era daquelas que gravava os clipes nas fitas de videocassete (ai, minha idade) quando ainda passava algo de interessante na finada MTV.

Vamos relembrar o que de melhor rolou nos clipes das bandas de Metal brasileiras?
Ordem aleatória, então sem mimimi.


SYMBOLICA – Awake the Wrath of Angels

Clipe absurdamente lindo e que deve ter dado um trabalho daqueles. 
Gravado na Serra do Rio do Rastro e Canyon do Funil, em Santa Catarina.

 

MIASTHENIA – Entronizados na Morte

Já reparou que são pouquíssimas bandas de Black/Pagan Metal no Brasil que fazem videoclipes?

“Entronizados na Morte” foi gravado  nas cavernas do Parque Estadual Terra Ronca, em Goiás. 

Imagino o trampo de iluminar uma caverna… Ficou lindo! Obscuro e trevoso, como pede o som da banda.
 

ANDRAGONIA – The Challenger

Banda de Prog/Djent de São Paulo. 
Som pesado e quebrado. Ótimo para quem gosta de sonoridades experimentais.
A prova de que um clipe não precisa de milhares de efeitos, filtros e estórias para ficar lindo!

SEPULTURA – The Vatican

Clipe com atmosfera bastante densa e cenas que fazem você querer assistir até o final (ao menos que você não curta polêmicas)

HELLARISE – More Mindless Violence

Ok, esse aqui é meio jabá porque fui eu que dirigi e editei. Mas ficou bonitinho, né?
 

 

VANDROYA – Why Should We Say Goodbye

Confesso que não conhecia o Vandroya até eles entrarem na seletiva para tocar no Monsters Of Rock.  E como canta essa Daísa Munhoz!
Clipe simples, mas muito bem feito. 
A música é uma baladinha, mas pra quem gosta de Power Metal procure mais sobre o Vandroya.

PROJECT46 – Acorda Pra Vida

Esse clipe saiu bem no comecinho do ano e eu estava mesmo caçando algum vídeo com cenas de shows. Esse do Project46 é um belo exemplo: cenas de shows diferentes, dos bastidores e do público mostrando como é a energia não só das apresentações, mas também da banda entre si.

ARANDU ARAKUAA – Gûyrá

Banda de Brasília que mistura Metal com música indígena e cantam em Tupi.
Edição calma, com fusões e tendo a natureza como cenário. Bem como pede a temática a banda.
 


SOUND ‘N’ RAGE – Dark Souls

Mais uma banda de Brasília! O Sound ‘N’ Rage é a banda do Fabrício Moraes, guitarrista que em 2008 lançou o ótimo “Obssessive Visions” com o Mortaes.
O Sound ‘N’ Rage faz uma mistura de Metal e Hard Rock com vocal feminino.
Não sei dizer onde fica a bela paisagem que serviu de cenário 🙁

Esqueci algum bacana? Deixe nos comentários 😉
2º Panzer Fest – 07/12/2013 – Blackmore Rock Bar

2º Panzer Fest – 07/12/2013 – Blackmore Rock Bar

 
Em meio a toda dificuldade que a cena do Metal autoral brasileiro se encontra, principalmente aqui em SP com o excesso de atrações internacionais, a saída encontrada é as bandas fazerem os seus próprios eventos. 
O Panzer, banda de Thrash Metal de SP tomou a frente e criou o “Panzer Fest”, já na sua segunda edição, dessa vez no Blackmore Rock Bar.

O evento começou com cerca de 1h30 de atraso e a apresentação das bandas ficou a cargo do Vinícius Neves (Stay Heavy).
Quem abriu a noite foi a banda Fire Strike. Heavy tradicional com vocal feminino forte, afinadíssimo e sonoridade empolgante. Aqueles shows que te arrepiam e emocionam, saca? É assim uma apresentação do Fire Strike.
A vocalista Aline Nunes canta absurdamente bem e sem dúvida é uma das bandas que mais vem se destacando na cena paulista.




Gravei a música “Master of The Seas” no show. Ela faz parte do EP “Lion And Tiger”. 
Abaixem o volume antes de dar play!


A segunda banda a subir no palco foi o Kamboja, que faz um Rock N’ Roll sem firulas e cantado em português. Simples e direto.
Confesso que de início achei engraçado a descontração e o excesso de palavrões do vocalista, mas o show acabou sendo um  belo fiasco. Eu não sou de fazer resenhas negativas de ninguém (quando eu não gosto, simplesmente não escrevo), mas nesse caso é diferente. 

Sabe quando você se encolhe na cadeira, coloca a cabeça no ombro do amigo ao lado e diz “Cara, que que ele tá fazendo?”, sentindo uma vergonha alheia sem tamanho?
Ofender as garotas que posaram para o Metal Girls com nomes dos mais escrachados possíveis (de puta pra baixo) , tentar se esfregar em uma das meninas, dizer que mulher só presta porque tem b*ceta e muitos outros absurdos, na boa…que “atitude” babaca e infantil. 
O vocalista faltou respeito com o público, com as mulheres, com a organização, com os demais músicos, com tudo. 
Todo mundo, principalmente os que estavam na parte superior da casa, ficaram muito putos da vida exaltados e só depois que o vocalista se retirou (ou retiraram ele?) que as coisas voltaram a ficar divertidas como estavam antes. A briga só não se consumou mesmo porque ninguém ali queria estragar a festa.
Cabe aqui dizer que os demais integrantes do Kamboja (Frank Gasparotto, André Curci e Paulão Thomaz) não fizeram parte do ato praticado pelo vocalista, Fabio Makarrão.
Fiquei extremamente decepcionada. Respeito, educação e bom senso passaram bem longe, infelizmente. 
Espero, de verdade,  que o episódio tenha servido de aprendizado e não se repita nem com eles, nem com outra banda, em nenhum outro lugar.  Ninguém merecia ouvir aquele tipo de coisa e nem preciso dizer que mulher nenhuma deve ser tratada daquela forma.
Depois da cena desastrosa, Vinícius Neves foi ao palco se desculpar pelo ocorrido, tentando contornar a situação de uma forma bem humorada e fazer a devida divulgação do calendário Metal Girls e foi muito aplaudido, o que evidenciou ainda mais o descontentamento geral com o episódio que tinham presenciado.
 
O Executer, banda de Thrash Metal das antigas, veio na sequência com a missão de fazer as pessoas esquecerem o incidente e voltar a se divertirem depois de tamanho mal estar. Missão cumprida! Som pesado e veloz pra nenhum thrasher colocar defeito.
Uma pena que a foto que tirei não ficou boa, mas queria agradecer publicamente aos integrantes do Woslom e HellLight por me fazerem gargalhar ao abrirem roda juntamente com uma garota que estava bem eufórica com o show do Executer. 😉
 
O Panzer veio logo após e fez uma apresentação com sangue no olho. Daquelas pra bater cabeça loucamente, destilando todo a raiva em músicas do EP “Brazilian Threat” e do novo álbum “Honor”.  O show ainda contou com a participação do Silvano Aguilera, vocalista do Woslom, na música “Savior”. 
Creio que muita gente tenha ficado com dores no pescoço no dia seguinte, como eu. Shows do Panzer são sempre memoráveis. Sempre!
Toda vez que tentava ver um show do Vulcano nunca dava certo. Mas no Panzer Fest 2, deu! E lá estávamos pra conferir uma das bandas mais importantes do Metal Extremo brasileiro, num show altamente destruidor, que lançou nesse ano o álbum “The Man, The Key, The Beast”. Espero ter a oportunidade de assistir um show completo do Vulcano em breve.
 
Pra fechar a noite, vários músicos tocando clássicos do Metal mundial: Woslom, Panzer, HellArise, Eletric Age, Ancesttral, HellLight,  Anthares, Centúrias dentre integrantes de outras bandas, interpretando canções do Motörhead, Black Sabbath, W.A.S.P, Metallica, Pantera etc.
O que foi Vitor Rodrigues (Voodoo Priest) cantando Raining Blood? Sensacional!
Frequento o Blackmore Rock Bar há uns ‘milhões’ de anos, mas ainda não tinha ido depois da reforma e troca de direção. E ficou bem melhor! Mais espaçoso, palco com mais luz e o som na maioria dos shows, estava bom. Só a ventilação que não melhorou em nada, o lugar continua atingindo o 666º graus.
A cartela de bebidas está bem interessante e você pode experimentar até as cervejas do Iron Maiden e Sepultura por lá (claro que com aquele preço típico de bares da região).
A logística para entrar na casa foi péssima. É bem notório que precisam de mais funcionários na entrada e nos caixas. Fiquei cerca de 25 minutos na fila para efetuar o pagamento do que consumi. Espero que melhorem isso em breve.
 
Valeu muito a pena atravessar a cidade para ir à segunda edição do Panzer Fest. 
Sei que organizar um evento não é fácil e envolve vários riscos e sempre acontecem situações às quais não temos controle. Mas nada tirou o brilho da festa. 
Foram shows divinos, diversos amigos e conhecidos trocando ideia, tocando juntos, tomando uma cerveja e o principal: se divertindo ao som de Heavy Metal. Era pra isso que fomos lá.
Honor!

Fire Strike no Panzer Fest 2
Fire Strike
panzer fest 2
Executer
panzer fest 2
Panzer e Silvano Aguilera (Woslom)
panzer fest 2
Panzer
panzer fest 2
Vulcano
panzer fest 2
Vulcano
panzer fest 2
Vinícius Neves (Stay Heavy)

Nervochaos – 17 Years Of Chaos

Nervochaos – 17 Years Of Chaos

nervochaos - edu lane

 

O Nervochaos, banda de Death Metal de São Paulo, recebeu vários amigos, músicos e imprensa para a festa de lançamento do seu novo DVD  “17 Years of Chaos”.
 
O box conta com dois DVDs e um CD. Um documentário sobre a trajetória da banda, muito bem feito, engraçado e editado de forma dinâmica. Já são 17 anos na música extrema, diversas mudanças de formação, shows ao lado de nomes consagrados e turnês por vários países.

A festa ainda contou com shows do Hellsakura, Necropsya e o próprio Nervochaos, com participações especiais de ex-integrantes.


Compre o “17 Years of Chaos” clicando na imagem abaixo.
 
Texto por Iza Rodrigues
Fotos gentilmente cedidas por Leandro Cherutti

 

 

 

 

 

Novo videoclipe da HellArise

Novo videoclipe da HellArise

hellarise - functional disorder

Depois de registrar em vídeo como foram as gravações do novo EP da HellArise, “Functional Disorder”, fiquei encarregada de dirigir e editar o videoclipe da banda para a música “More Mindless Violence“.

Foram 2 dias de gravações, em locações diferentes, onde enfrentamos problemas com áudio, gerador, chuva e alguns outros. 

Contamos com a participação do IMAT, time de Airsoft, esporte que simula táticas militares de guerra. 
Conheça mais sobre ele clicando aqui.
Ouça “Funcional Disorder” no BandCamp da HellArise

hellarise - functional disorder - more mindless violence
Flávia Morniëtári
hellarise - functional disorder - more mindless violence
Mirella Max
hellarise - functional disorder - more mindless violence
Kito Vallim
hellarise - functional disorder - more mindless violence
Felippe Max

hellarise - functional disorder - more mindless violence

hellarise - functional disorder - more mindless violence
hellarise - functional disorder - more mindless violence
hellarise - functional disorder - more mindless violence


HellArise – More Mindless Violence (Official Video) from HellArise Official on Vimeo.

Quem é o Headbanger brasileiro?

Quem é o Headbanger brasileiro?

Você tem uns minutinhos pra ouvir a palavra de Dio?

Pesquisa fechada. Em breve os resultados estarão online com uma pequena análise.

A pergunta pode soar muito estranha, mas é basicamente isso o que quero descobrir:

Quem é o Headbanger brasileiro? 
O que comem? Como vivem? Sexta no Globo Repórter.
Sou estudante de Marketing Digital e quero fazer algumas mudanças na produção de conteúdo do blog  e preciso saber o que, na internet, pode ou não dar certo com esse nicho.

Como não há disponível nenhuma pesquisa assim, o resultado estará online em 30 dias para que qualquer pessoa possa ter acesso. Creio que o resultado possa trazer benefícios para o Heavy Metal brasileiro em geral. Muitas empresas e bandas do ramo parecem desconhecer totalmente seu target.

Existem sim mestrandos em sociologia e publicidade interessados no resultado, para que possam agregar em suas dissertações. Como eu disse, é uma pesquisa que servirá para bastante pessoas, mas o meu intuito é descobrir, basicamente, o que o headbanger brasileiro gosta, compra, faz, acredita etc. para que eu possa produzir conteúdo na internet mais direcionado.
Após a pesquisa fechada, o resultado ficará exposto para todos e espero que ajude não só quem faz parte da mídia especializada, mas também as bandas, produtores de shows, gravadoras e quaisquer outros empreendedores especializados e pesquisadores que queiram conhecer melhor esse público.

São todas perguntas de múltipla escolha, você não vai precisar digitar nada e nem inserir nenhum dado seu.
Simples, né? 
Ajuda essa blogueira a produzir um conteúdo cada vez melhor?

Pesquisa fechada. Em breve os resultados estarão online com uma pequena análise.


O Rock está na moda

O Rock está na moda

“Você já ouviu aquela banda…é…vi um monte de gente usando a camiseta…acho que chama Harley Davidson, já ouviu? Deve ser boa.”

Depois da moda mainstream sofrer uma avalanche de jeans rasgados, caveiras, spikes, rebites, coturnos, crucifixos (alguns até invertidos), chegou a vez das estampas de bandas. 

Começou timidamente pelo símbolo dos Rolling Stones e com a chegada do Rock In Rio, via-se milhares de garotas com camisetas do Ramones, dentre outras bandas.



Tá, e daí? É só uma roupa, certo?
É exatamente esse debate que quero começar por aqui.
Todo esse ‘estilo rocker’ que está em alta agora, é de todo ruim?


Leia aqui “Dicas de Como Usar Camisetas de Banda” [post irônico]