Eu gosto é de cabeludos, e daí?

Você viu aquele cara ali? 
A noite estava fresca e o público se amontoava em um dos bares da cidade. Palco pequeno e mal iluminado, som absurdamente alto e uma microfonia de dar enjoo. Cerveja barata e pouca ventilação. As bandas começavam a se ajeitar no palco estreito e escuro. Bandas covers de sempre, nada de muito chamativo, porém o suficiente pra encher o local, que carinhosamente minha mãe chamava de pugueiro. “Você vai pra aquele pugueiro hoje? Não tem lugar melhor pra você ir, não?” e o sermão se esticava. Vai colocar na cabeça da ‘véia’ que é disso que eu gosto? 
Os rostos eram iluminados pela penumbra, hálitos alcoólicos e cheiro de nicotina no ar. Todos os aromas se misturavam junto com o cheiro da máquina de fumaça. Pequenas turmas esvaziavam garrafas de cerveja quente, whisky com energético e copos com caipirinhas coloridas. Alguns faziam brindes por motivos não muito importantes e riam de piadas sem nexo, dava pra ouvir de outra turma que o assunto pairava sobre Matos e Falaschi, Owens e Halford, Kiske e Deris e outros “versus” já manjados. Caminhando por entre as pessoas vestidas de preto, onde as estampas das camisetas não diferenciavam muito: Iron Maiden, Helloween, Hammerfall, Edguy e correlatas, uma turma ou outra debatiam sobre história nórdica, o último álbum do Rhapsody ou o quão os anos 80 foram melhores, mesmo que essas pessoas aparentassem ter nascido já na década de 90. As meninas não eram muitas. Algumas brancas, de cabelos extremamente negros e lisos, olhos pintados, unhas enormes e roupas daquelas que de tão coladas, penso eu que deve dar um trabalho enorme para entrar no corpo. Tudo parecia tão oco. Uma casca superficial frente a tantas pessoas que poderiam ter mentes brilhantes, mas que preferem assuntos já defasados. Ao menos aqueles. Naquele lugar, naquele dia, transparecia isso. Vazio.
Dentre tantos círculos, me chamou atenção um rapaz que não fazia parte de nenhum deles. Sozinho, encostado ao balcão, observando tudo ao redor, porém seu olhar não fixava em nada. Não era muito alto e nem tinha o corpo esbelto. Os cabelos iam pouco abaixo dos ombros, pretos e levemente ondulados que ele prendia metade e o restante deixava solto. O nariz fino, sobrancelhas fartas, braços grossos e mãos grandes. Aparentava ter uns 27 anos e me parecia um pouco deslocado, perdido talvez. 
Meu olhar se fixou nele. Como por quem implorasse alguns segundos de retribuição. Eu nunca fui de ficar com vários homens e confesso ser muito seletiva. Gosto daqueles de cabelos longos e que não tenham a cabeça oca. Muitas pessoas me criticam por preferir homens cabeludos (cabeludo é diferente de peludo, por favor). O fato é que todo mundo tem uma preferência. Uns gostam de loiras, outros de morenas, baixas, altas, peitudas, bundudas…mas por exemplo, você pode ter uma tara infinita por ruivas, mas não é por isso que vai se jogar em qualquer moça com cabelo mal pintado de vermelho que aparecer na frente, não é? Ao menos não deveria, creio eu. Um pouquinho de amor e cuidado com o orgão que te proporciona prazer é sempre bom.

Ok, existem mesmo aquelas que não podem ver homens com madeixas compridas. Se ele for de alguma banda então, nem se fala. Periguetes existem em todos os lugares e não é no Rock e Heavy Metal que elas fariam o favor de nos poupar de suas roupas de mal gosto minúsculas, seu perfume exagerado e sua forma escandalosa de falar e gesticular.  No fim, só querem estar ao lado desse tipo de rapaz por puro status. Eu já sou daquelas que prefere o combo beleza + inteligência. Músicos eu descarto. Dão muito trabalho, pulo fora. 

Sabe aquela famosa frase que diz  “A beleza está nos olhos de quem vê”? Pois bem, é isso. E se beleza pra mim e pra tantas outras for um homem de cabelos longos? Qual é o problema?

Continuei olhando fixamente para o cabeludo. Aquela cara de homem feito e aqueles braços. Ahhh! Sou também uma tarada por braços, admito. Gosto de ser abraçada e sumir, afundar meu rosto no tórax e ouvir as batidas fortes em seu peito e ali esquecer de tudo enquanto ele afaga meus cabelos. Obviamente ele notou o meu olhar insistente e sem pudor, pude notar suas bochechas ruborizadas e um pequeno traço de um sorriso. Nosso flerte foi interrompido pelos primeiros acordes de uma melodia muito familiar. O cover de Stratovarius começava sua apresentação ao som de ‘Forever Free‘.

Eu também não sou nenhuma beldade. Uma moça comum que anda de jeans, camiseta e All Star. Baixinha, branca, de cabelos com luzes cor champagne. 22 anos. Estava no terceiro ano de Pedagogia e solteira há alguns meses. Em busca de um rapaz com bom papo, cérebro recheado de conhecimento e de preferência cabeludo. De preferência, com braços fortes. De preferência.

Ele se chamava Alex, historiador, estava na cidade a trabalho e iria embora no dia seguinte. Sumi em seus braços, sentindo seu perfume, afundei meu rosto em seu tórax enquanto ele afagava meus cabelos e ouvia as batidas fortes do seu peito. Dizem que a felicidade é feita de pequenas coisas. Nunca mais o vi, mas fomos felizes ali, mesmo que por poucas horas.

Dentre tantas coisas que conversamos, ele me falou de um filósofo escocês chamado David Hume, que dizia que “A beleza não é uma qualidade das coisas por si mesmas. Ela existe meramente na mente que as contempla, e cada mente percebe uma diferente beleza.” 

Repito: E se beleza pra mim  for um homem de cabelos longos? Qual é o problema?

Posts relacionados

Comments

comments

11 thoughts on “Eu gosto é de cabeludos, e daí?

  1. Acho homem cabeludo estiloso pra cacete. Mas nunca foi o tipo de homem que busquei pra mim, sempre preferi cabelos curtos ou médios. Mas por uma piada da vida, mesmo depois de uma história punk/hardcore intensa na minha adolescencia, me casei com um headbanger e ele tinha longas e madeixas, rs.
    Acabou que uns 4 anos depois de casados ele cortou o cabelo pq entrou pro serviço público em uma area que cabelo longo não é permitido para homens. Agora já nem lembro como ele era cabeludo.
    Enfim, vai entender né. Ótimo texto!

  2. Poxa !!!…..Adorei esse blog . Fala tudo xD
    Somos duas HeadBanger's Loukas por cabeludos ! com celebro recheado nao "oco"
    Homens Cabeludos forever porra l,,l

  3. Poxa, este foi um dos melhores textos sobre o assunto que ja la. Concordo em todos os sentidos. Adoro homem cabeludo, são super estilosos, charmosos, enfim, tudibaum rs

    Eu namoro um, e ele é musico. Sim, eles dão trabalho mesmo. Seja por ter muita "mulher em cima" ou ter que dividir ele com a musica (que é o meu caso), mas temos nos dado muito bem ao longo destes 2 anos, adoro ele e nosso namoro é muito bom o não o trocaria por nada.

    Beijo!

    fairieswboots.blogspot.com

  4. "cabeludos ! com celebro" HSUAHSUAHSUAHSAUHSUAHSUAHSUAHSUAHSAUHSAUHSUAHSAUHSAUHSAUHSAUSHAUHSAUHSAUHSAUHSAUHSAUHSUAHSUAHSUAHSUAHSHAUHSAUHSAUHSUAHSUAHSUAHSUAHSUAHSUAHSUAHSUAHSUH chessuiz
    Péssimo texto, totalmente fútil.

Deixe uma resposta